Woman To Be

A nova Responsabilidade

Woman to Be apresenta: Fernanda Procópio Cajado em CRONICAS COMPORTAMENTAIS

Entendendo  a RESPONSABILIDADE                        


A nova Responsabilidade

 

         Me mandaram aqui de novo. Dessa vez pra falar sobre Responsabilidade! Uau! Que responsa hein? Mas esse tema parece fácil pra mim, afinal: Sempre cumpri com horários e compromissos, respeitando aqueles  que se relacionam ou contam comigo. Como estudante fui até o fim com a graduação e a pós, apesar das incontáveis  dificuldades e sacrifícios pelo caminho; Na vida profissional também chego junto e dou conta de tudo; No quesito social,  procuro ser solidária com os amigos; Em festas bebo com moderação e sem nunca perder a linha, “passando o rodo “,  beijando os caras na pista.

 E na vida pessoal, realizei o sonho de ser mãe e esposa, encarando as obrigações, que não são poucas e nem fáceis. Então, tantas horas de comprometimento  me gabaritam a uma pessoa bem responsável, certo?

 

NÃO !  Aliás, quase. Quer dizer, em parte SIM;
Mas não totalmente!  Não necessariamente.
O que???  Por quê?

 

Reponsabilidade, ao contrário do que eu pensava, é tudo isso! Mas é também, MAIS do que isso…

 

Pra entender melhor, voltemos no tempo.. 50 anos atrás. Não se falava em: Ansiedade, TPM, depressão, crise de pânico, stress ou pensamento acelerado. Essas coisas não existiam. Não ???  

Também não havia:  Inteligência Emocional, Resiliência, Assertividade, Persistência, Otimismo e Zona de Conforto.|

 

Então, esse monte de tudo isso só pode ser culpa da modernidade aliada a Woman to be ! 

 

Ou  quem sabe, tudo isso sempre existiu sim, e independente do sexo, o ser humano, era muito pouco visto e quase nada compreendido

 

Havia os problemas externos. Um aqui, outro ali. Mas se a mulher estava muito nervosa, o médico dizia: –Ela está com problema de nervosNão deve ser contrariada!  Fora isso, tinha os dias das famosas regras (tensão pré + menstruação) quando a mulher ficava INCOMODADA. 

 

      Noutro dia, numa sessão de TPM  falamos e rimos disso. As mulheres da nossa classe social (Mães, esposas, professoras, tias ou avós) tinham essa desculpa. Estar incomodada era o equivalente a estar Out of the Game.

 

Aliás,  mais do que justo poder  ficar um pouco fora do jogo, dar um tempo… Deitar-se durante a tarde, ler revistas, descansar, chorar um pouco se quiser, olhar pro infinito, existir… Pensar na vida e  se conformar até   “ as coisa-melhorá.” 

 

         A vida era mais simples pras nossas mães ou pras mães delas. Mas o que tudo isso tem a ver com Reponsabilidade? 

 

Tudo ! Elas não eram responsáveis.

O que? Tá louca??? Elas cuidavam da casa, filhos, marido, funcionários, alunos, etc…

 

Sim, tinham inúmeras reponsabilidades mas não se responsabilizavam pelo que a vida lhes trazia. 

Ou melhor, não eram donas de seu nariz!  

Havia sempre um marido, um pai ou um filho mais velho pra dar a palavra final – decidir por elas – até onde podiam ir.

 

Hoje a gente é livre e tem poder.  A psicologia veio pra explicar;  a Woman to Be pra nos fazer refletir, e as duas juntas pra deixar a vida melhor e mais interessante. 

 

        Porém, junto com a liberdade de ser o que e como eu quiser, veio uma conta pra pagar: é o custo de ser gente grande; Pra tomar atitude, tem que encarar as consequências. As boas, que bom…mas e a conta, ou pior, a nota fiscal emocional , daquilo que você fez e se arrependeu? Ou do que deu tudo errado?

 

         Confesso que sinto uma certa nostalgia do tempo em que a gente podia ser sexo frágil e mulherzinha. Tinha sim suas vantagens …

 

Ah, que saudade de ser irresponsável ! 

 

Mas agora chegamos no futuro e voltar atrás seria  desmerecer a imensa  luta de umas e de outras que nos trouxeram até aqui.

 

Ao  pensar sobre isso não tenho como não lembrar do  filme e seu personagem Forest Gump, **que saia para correr e as pessoas gritavam: Run  Forrest , run!

 

 Aproveito a deixa pra dizer: Run Woman, run…

 

Corre e desfila pelo seu século,  o XXI . 

Corre para desenhar, levantar ou até pra reerguer sua estória…Corre pras suas escolhas. Ou simplesmente corre pra encarar o que a vida quer de você…

 

Afinal, pra quem faz questão de ser atualizada, conectada e até quem sabe, tatuada… Não basta seguir as tendências e ter iphone, imac , ipad, ipod , itudo

 

Vai ter que se olhar e buscar o seu ilove…..  

ilove me,   ilove myself …..and I

 

Amar a você, é amar suas escolhas e caminhos.

Seja de mulherzinha…ou de mulher maravilha!

 

Afinal, …o mundo, continua pequeno, mas a  RESPONSA,  cada vez maior pra nóix, … mulherada !

 

                                        

Fernanda Procópio Cajado

 

 

 

 

**Personagem Forest Gump, vivido pelo ator Tom Hanks, ganhador do Oscar de melhor filme nos anos 90

Posted in: Artigos

Deixe um comentário: (0) →