Woman To Be

ATIVIDADE CERTA E ASSERTIVIDADE

Por Fernanda Cajado, Cronista e parceira da Woman To Be

 

Mas afinal, o que é essa tal de assertividade?

Assertividade é por exemplo você conseguir dizer um elegante NÃO ao chefe que te explora, querendo que você entregue o projeto naquele prazo absurdo, tendo que trabalhar noites a dentro, finais de semana e feriados.

Assertividade é pegar o telefone e polidamente dizer para sua vizinha que a música alta (cá entre nós, cafona, aliás, horrorosa) que está ouvindo, e você por tabela também, não é própria para este horário ou ocasião…

Assertividade é você nunca e jamais chegar para sua sogra apontando o dedo, cheio de verdades acumuladas: citando alguns dos fofos e intermináveis equívocos que ela cometeu na educação do filhinho e que por um acaso do destino, hoje em dia, sobrou geral para você!

Mas dizer isso ou aquilo para todas essas pessoas…saber se colocar sem explodir…ou simplesmente saber ouvir … sem manda-los a merda…  Ou dar carteiradas de poder… ah!!! Que difícil !!! E que desafio!!!

Eu admiro a postura dos assertivos, até porque, a bem pouco tempo atrás eu nem sabia que assertividade era mesmo plausível.

Admiro as mulheres equilibrados e assertivas pois defendem seu ponto de vista sem aparentar imposição ou superioridade. Discursam com equilíbrio e precisão.
Tudo parece tão natural e fluido!
Parecem filhas ou entes próximas da Madame Elegance, aquela, irmã gêmea da Dona Razão.

Juro que nunca me dei bem com a assertividade! Sempre oscilei entre o 8 ou 80! Ou engolir tudo numa passividade linda de se ver. Ou vomitar palavras e ira com uma agressividade lamentável dos ”descontrolados de plantão”.

Como minha mãe me dizia na infância: você é uma menina ou é uma barata?
Se é uma menina, tem que se defender.
Mas aí você se defende e passa do tom: acaba por ofender!
E quem ofende perde a razão! Pode saber!
E lá vem sua mãe:
– Nossa, você era tão boazinha e virou essa fera!

Aí, na casa da maturidade- a vida vai te mostrando-   que aguentar calada, ou rodar a baiana são dois extremos que não combinam com essa mulher que você se propôs a ser:

Pós-graduada, engajada, que domina várias línguas, deu volta ao mundo, e até defende em passeatas os caminhos mais justos para seu país.
Mas…  Na hora de defender seus pontos de vista, não passa daquela barata que mal se defende das chineladas da vida e simplesmente congela…

Por outro lado, também…  Para você que se propôs a ser uma mulher moderna (que preza a aparência), montada no cabelo, maquiagem e independência;
…decidida, tatuada, depilada, motorizada, que desfila chiquérrima e como ninguém num salto alto e sempre na ultima moda …
Aí, de repente …os ânimos se exacerbam e para se impor acaba exagerando e o barraco se forma: roda aquela baiana de dar dó em quem assiste!

Dona Razão, aquela senhora distinta, respeitada e irmã gêmea da Madame Elegante, desaparece e te deixa assim, arrependida, humilhada, descabelada e algemada na dona Vergonha …

Por isso, deixo para vocês minha receita (que venho tomando nota e experimentando):

5ml de sentimento
50 cubinhos de pensamento
800g crenças
3 xicaras de respeito
1kg de humildade
4 colheres de chá de habilidade
2 tabletes de argumento

Misture tudo e leve ao fogo em banho-maria até ficar homogêneo
–      Acrescente uma colher de chá de extrato de oratória e uma pitada de sua razão
–      Adoce a seu gosto, alias, quanto mais doce, melhor
SIRVA num recipiente de coragem e oportunidade e bom apetite!

Aí é só praticar até virar hábito: inspira, expira, reflete, considera, formula e manda ver! Assim vamos construindo a personagem que de verdade queremos ser.

…esse é o nosso segredo, nosso afinal e nossa razão!

E nós podemos !! Pois o mundo é pequeno pra nóix, mulherada!

 

Posted in: Artigos

Deixe um comentário: (0) →